Os grandes navegadores devem sua reputao aos temporais e tempestades.

Epicuro

Qual o seu valor?

H muito tempo, numa cidade qualquer do interior, um jovem que vivia desanimado dirigiu-se ao seu professor:
- Venho aqui, professor, porque me sinto to pouca coisa que no tenho foras para fazer nada. Me dizem que no sirvo para nada, que no fao nada bem, que sou lerdo e muito idiota. Como posso melhorar? O que posso fazer para que me valorizem mais?
O professor, sem olh-lo, disse-lhe:
- Sinto muito, meu jovem, mas no posso ajudar. Devo primeiro resolver meu prprio problema. Talvez depois. E fazendo uma pausa, falou:
- Se voc me ajudasse, eu poderia resolver este problema com mais rapidez e depois talvez possa lhe ajudar.
- Claro, professor - gaguejou o jovem, logo se sentindo outra vez desvalorizado e hesitou em ajudar seu professor. O professor tirou um anel que usava no dedo mnimo deu ao garoto, dizendo:
- Pegue o cavalo e v at o mercado. Devo vender esse anel porque tenho de pagar uma dvida. preciso que voc obtenha pelo anel o mximo possvel, mas no aceite menos que uma moeda de ouro. Vai e volta com a moeda o mais rpido possvel.
O jovem pegou o anel e partiu. Mal chegou ao mercado, comeou a oferecer o anel aos mercadores. Eles olhavam com algum interesse, at quando o jovem dizia o quanto pretendia pelo anel. Quando o jovem mencionava a moeda de ouro, alguns riam, outros saiam, sem ao menos olhar para ele. S um velhinho foi amvel, a ponto de explicar que uma moeda de ouro era muito valiosa para comprar um anel.
Tentando ajudar o jovem, chegaram a oferecer uma moeda de prata e uma xcara de cobre, mas o jovem seguia as instrues de no aceitar menos que uma moeda de ouro e recusava as ofertas. Depois de oferecer a jia a todos que passaram pelo mercado, abatido pelo fracasso, montou no cavalo e voltou. O jovem desejou ter uma moeda de ouro para que ele mesmo pudesse comprar o anel, assim livrando a preocupao de seu professor e, assim, receber ajuda e conselhos. J na escola, diante de seu mestre, disse:
- Professor, sinto muito, mas impossvel conseguir o que me pediu. Talvez pudesse conseguir duas ou trs moedas de prata, mas no acho que se possa enganar ningum sobre o valor do anel.
- Importante o que disse, meu jovem... - o professor disse, sorridente
- Devemos saber primeiro o valor do anel. Pegue novamente o cavalo e v at o joalheiro. Quem poderia ser melhor para saber o valor exato do anel? Diga-lhe que quer vender o anel e pergunte quanto ele lhe d. Mas no importa o quanto ele lhe oferea, no o venda... Volte aqui com meu anel.
O jovem foi at o joalheiro e deu o anel para examinar. O joalheiro examinou o anel com uma lupa, pesou o anel e disse:
- Diga ao seu professor, se ele quer vender agora, no posso dar mais que 58 moedas de ouro pelo anel.
- 58 MOEDAS DE OURO!!! - exclamou o jovem.
- Sim, replicou o joalheiro, eu sei que, com tempo, eu poderia oferecer cerca de 70 moedas, mas se a venda urgente...
O jovem correu emocionado escola para contar o que ocorreu. Depois de ouvir tudo que o jovem lhe contou, o professor disse:
- Voc como esse anel, uma jia valiosa e nica. E que s pode ser avaliada por um "expert". Pensava que qualquer um podia descobrir seu verdadeiro valor?
E, dizendo isso, voltou a colocar o anel no dedo.
Todos somos como esta jia. Valiosos e nicos, andamos por todos os mercados da vida, pretendendo que pessoas inexperientes nos valorizem.
Porm ningum, alm do Grande Joalheiro, sabe o nosso valor!